domingo, 6 de dezembro de 2009

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Dinâmica da Flor


Olá amigos, estou postando mais uma dinâmica, ótima para ser aplicada em grupos, mais uma contribuição das oficinas do GESTAR. Abraços!!!!


DINÂMICA DA FLOR

1. Cada participante desenha e pinta uma flor bem bonita e recorta-a (Pedir que o cursista desenhe pensando em si mesmo. Uma flor que represente ele).

2. Após ter pintado e recortado, divide a flor em duas partes iguais.

3. Dá uma das partes a alguém / recebe uma parte da outra pessoa (Solicitar que nesse momento ele escolha uma pessoa, dê um abraço, fale palavras de incentivo, otimismo fé..., enfim criar um ambiente de confraternização).

4. Após ter recebido uma das partes da outra pessoa, cola a parte que recebeu com aquela que ficou com ele (numa nova folha de ofício), formando uma nova flor (agora com dois pedaços de flores diferentes).

5. Recorta novamente a nova flor e divide em duas partes iguais (de modo a ficar, cada parte, com pedaços das duas flores anteriores).

6. Repete as orientações do item 3.

7. Repete as orientações do item 4 (agora a nova flor formada terá quatro partes diferentes).

8. Após a última formação da flor (com quatro partes diferentes), cada participante coloca seu nome e faz-se uma exposição com todas as novas flores formadas / cada um reflete sobre sua flor.

9. Cada participante procura identificar quais as pessoas autoras das partes que compõem a sua flor.

10. Questionamentos e discussões sobre as experiências vividas (primeiro momento de discussões).

11. Após a primeira discussão, cada participante procura identificar onde estão as partes da sua flor original (Identifiquem e memorizem as pessoas que estão com partes de sua flor).

12. O Formador solicita que todos os participantes caminhem no centro (pode ser utilizado um fundo musical), e, após o sinal dele, todos param e fazem uma conexão (dando as mãos) com todas as pessoas que possuem partes de sua flor original.

13. Visualização e reflexão em grupo (segundo momento de discussões).

14. Principais pontos para serem refletidos e discutidos que são provocados pela Dinâmica da Flor:

  • Integração;
  • Interação;
  • Conhecer a si / re-conhecer a si;
  • Conhecer o outro / reconhecer-se no outro;
  • Relações;
  • Construir;
  • Destruir;
  • Reconstruir;
  • Resultado de um trabalho compartilhado;
  • Resultado de várias etapas a serem cumpridas, vencidas;
  • Rede de relacionamentos;
  • Etc.



domingo, 4 de outubro de 2009

Encerramento do Projeto: Se essa rua fosse minha

Amigos,

Dia 27 de setembro aconteceu o encerramento de um importante projeto didático sobre a Educação para o Trânsito, pais, alunos e professores da Escolinha Sítio do Pica-pau Amarelo(Várzea Nova Bahia) participaram ativamente das etapas do projeto que teve como produto final uma caminhada pelas ruas da cidade com parada na Praça Otacílio Alcântara, onde o cenário já estava armado para as belíssimas apresentações.




sexta-feira, 2 de outubro de 2009

PARÁBOLA DO LÁPIS

video

Amigos,
Assisti esse vídeo na oficina do GESTAR II, traz uma mensagem muito sensível e interessante, ideal para ser apresentado e discutido em reuniões de grupos.

Um abraço!!!


segunda-feira, 20 de julho de 2009


Amigos

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto
e a absoluta necessidade que tenho deles.

A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor,
eis que
permite que o objeto dela se divida em outros afetos,
enquanto
o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar, embora não sem dor,
que
tivessem morrido todos os meus amores,
mas
enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !

Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos
e o quanto minha vida depende de suas existências ...

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.

Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.

Mas, porque não os procuro com assiduidade,
não posso
lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.

Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem
que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.

Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro,
embora não declare e não os procure.

E às vezes, quando os procuro,
noto que eles não
tem noção de como me são necessários,
de como são
indispensáveis ao meu equilíbrio vital,
porque eles
fazem parte do mundo que eu,
tremulamente, construí,
e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.

Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que,
sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.

E me envergonho, porque essa minha prece é,
em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.

Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.

Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos,
cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim,
compartilhando daquele prazer ...

Se alguma coisa me consome e me envelhece
é que a roda
furiosa da vida
não me permite ter sempre ao meu lado,
morando comigo, andando comigo,
falando comigo, vivendo
comigo,
todos os meus amigos, e, principalmente,
os que só
desconfiam
- ou talvez nunca vão saber -
que são meus amigos!

A gente não faz amigos, reconhece-os.

Vinicius de Moraes